A Carta

“Sem dúvida, um ano cheio de surpresas. E uma surpresa cheia de anos.” 

A nuvem cinzenta deu espaço ao azul Celeste. É engraçado falar Celeste, pois tem a ver com a situação. Quando comecei a escrever esse livro, já pairava em meu pensamento como seria Celeste. Sua personalidade, seus gostos, o reflexo dos traumas que já havia sofrido, a forma como encara o amor e a vida. Parecia que eu a conhecia de perto. (rs) E então, percebi que Celeste parecia muito com uma amiga que eu tinha (e tenho). Uma “menina” com muita garra, um coração puro, cheia de sonhos e uma verdadeira mulher. O coração meigo, voz tranquila, olhar doce e uma vontade de amar sem igual. Se você for homem e estiver “procurando” uma pessoa assim, meu caro, não desista. Também desacreditei que houvesse alguém assim, mas eu sou de carne e osso. Não é um robô escrevendo. E posso afirmar que tenho uma pessoa assim ao lado. De tão rara, eu sonhei (sonho literal) com uma pessoa assim e essa pessoa se tornou personagem do livro que estou escrevendo.

Particularidades de Celeste: transformar o nada, em tudo. A esperança, em sonho. O ódio, em amor. As lágrimas, em sorrisos. A dor, em conforto. E sabe o que é mais engraçado nisso tudo? Não parece que estou falando de Celeste e sim dessa amiga. Demorei para perceber tudo isso, pois é muito mais fácil saber tudo de um personagem que você criou, do que um amigo. Amigo esse, que você o conhece cada vez mais a cada dia que passa.

Quem conhece o blog desde 2012, sabe que abri meu coração para uma pessoa muito especial. Me declarei sim, inúmeras vezes. Mas cometi um erro que muitos cometem: confundi os sentimentos. Estar apaixonado é muito diferente de estar amando. E isso, tenha certeza, você saberá com o aprendizado de pessoas que entram na sua vida. Eu passei por momentos muito felizes, confesso. Porém, estar feliz é totalmente diferente de ser feliz. Antes, eu estava feliz um dia, e infeliz no outro. As postagens estão aqui comprovando. Hoje, eu durmo feliz e acordo mais feliz ainda. Eu sou feliz. E você se pergunta: mas como tem certeza que é amor?

Vou contar abaixo, em uma [Carta] que escrevi há uns dias e postarei hoje:


Você

Aos 16 anos de idade, os seus sentimentos já estavam acertados. Você caminhava com a certeza no bolso, enquanto meninas da sua idade andavam com interrogações. Nós nos conhecemos por acaso, eu sei, mas acredito que já estava escrito para ser assim. Sempre tivemos uma ligação muito forte, mesmo poucas semanas depois de nos conhecermos. Eu já sabia da sua intimidade e você da minha. Você? Uma menina tímida. Eu? Um rapaz indeciso. Entre nós, o mar nem sempre estava calmo. Fui o causador de muitas tempestades. Afundei seu barco inúmeras vezes, mas você sempre arrumava um jeito de nadar e voltar com outro barco. Ao pé da letra: eu sempre destruía você por dentro e você fazia questão de juntar todas as peças e me mostrar algo novo. Você foi capaz de me amar quando eu não te amava. Você me olhava com admiração e eu olhava para te corrigir e brigar. Conheceu de perto a dor de um sentimento não recíproco. Por 3 anos, eu te fiz chorar e te tratei de forma errada. Não todo dia, claro.
Você sempre dizia me amar e eu não respondia como se deve. Fui a pessoa mais chata possível. E eu me perguntava: “ela não se toca?!” E pensava coisas como: “Detesto ela/Que chatice!/Criança demais!/Até o jeito dela falar me irrita um pouco…”
E por aí vai! Que carinha legal, não?! A razão disso tudo, de não “me deixar em paz”, se devia pelo fato de você não olhar só os defeitos e sim as qualidades. Definitivamente, você aguentou mais do que eu e qualquer outra pessoa. As pessoas que lêem de fora, não imaginam o quanto foram pesados os nossos conflitos. Você foi capaz de amar um cara que não dava o mínimo valor aos seus sentimentos. Mas esse mesmo cara não podia ver nenhum engraçadinho chegar perto demais. E te respeitava como jamais respeitou outra pessoa. Além de fazer questão que você estivesse por perto. Como você me dizia: você é um mistério.
No final do ano passado, quando eu disse “vai embora!”, você foi. Coberta de lágrimas e soluços, sabia que não era o fim que você queria. Onde está a parte do amor? Onde está a amizade? Como assim acabou? – você não entendia o que estava acontecendo e eu não entendia mais nada sobre mim. Dois amigos separados. A música que está tocando nesse blog não é por acaso. Foi o que aconteceu comigo. Me perdi dentro de mim, e o abismo nublado realmente estava tramando algo inimaginável: você. Eu te consumi tanto, que acabei te colocando no meu centro. Em quase 3 anos, nunca passamos tanto tempo longe um do outro. E foi quando me dei conta de que todos aqueles conflitos não foram por acaso. E você não saía de perto porque realmente me amava. E o tempo longe me fez sentir a pior dor (e merecida) de todas. Todos os amigos diziam a mesma coisa: “é, amigo. Você nunca gostou dela como ela de você. Seria uma relação infeliz.” Foram meses mergulhando e atravessando a fronteira mais escura do mundo. Uma dor que não desejo para ninguém.
Quando nos encontramos novamente, pessoas irreconhecíveis. Aos 19 anos, você tem o mesmo sentimento (maior) que os seus 16. Continua a mesma companheira, guerreira, amiga, e de um coração puro e maravilhoso. Quando nova, já era tão responsável e mulher que eu perdia a noção da sua idade. Imagina hoje? Hoje você é uma mulher realmente incrível. Você merece todo o amor, atenção e companheirismo que me deu.
 .
Termino esta [Carta] escrevendo o seguinte:
 .
A felicidade é algo difícil de ser alcançado, se você enxergar sua vida e seus sonhos de maneira impossível. Todo e qualquer sofrimento é válido, mas não deve ser feito deles, calçados. Nem sempre é necessário sofrer para aprender como a vida funciona, mas é essencial para valorizá-la. Principalmente as pessoas que passam em sua vida.
Eu tive sorte por ter reencontrado você. Por ter tido tempo de olhar para dentro e perceber o que estava errado.
Pouco tempo depois do reencontro, nós nos unimos de um jeito inimaginável. Como se estivéssemos juntos há anos. União e companheirismo. Amor e carinho. Posso afirmar que tenho ao lado a mulher mais incrível. Uma verdadeira companheira.
Você me disse: “Você me transformou em uma mulher madura. Amada. Completa de si.”
E não poupo dizer que você me transformou no homem maduro, amável e o mais feliz. As duras que te dei, quando amigo, refletiram no que você é hoje. E as duras que me deu, no que sou. Sua mãe perguntar “Como um homem muda o coração de uma mulher assim?” pra mim, foi realmente incrível. Pois sempre pensei ser o pior dos homens pra você, e você me viu como boa referência. Por isso, eu te valorizo tanto. Porque sou um homem melhor por sua causa. Todas as minhas “armas” para te afastar não surtiram efeito. Você me desarmou. Me fez enxergar a vida de forma mais saudável. Sem sofrimento. Hoje, sou um homem de sucesso graças a menina de 16 anos que, independente de qualquer coisa, provou que o amor não está só nas coisas boas, no bonito, no florido. Você se tornou a realidade de uma personagem de um livro fictício, da qual eu nem terminei. Se tornou a GRANDE diferença entre estar feliz e ser feliz.
“Você me faz o homem mais feliz e amado do mundo.”
(Essa frase é sua, mas cabe perfeitamente em mim.)
A.L., obrigado por me amar quando eu não mais acreditava que isso fosse possível. Por estar ao meu lado e enfrentar as dificuldades. Por, diferente de muitas pessoas, que largaram um sentimento tão puro por causa de uma distância ou por falta de compreensão, ter enxergado tudo de forma mais madura. Problemas são coisas tão passageiras quanto um dia chuvoso. Você tanto me fala que nunca foi tão amada, tão cuidada, tão valorizada… Mas tudo isso que te dou hoje, sinceramente, é muito pouco para o que você merece. Você tem um coração incrível, uma família maravilhosa, da qual quero estar cada vez mais próximo. E agora sei porque você é tão forte, porque vi nos olhos da sua mãe a mesma coisa.
Obrigado.
– Fim.
Anúncios